O gráfico abaixo ilustra o estado de felicidade de um indivíduo ao longo do tempo. Acima do zero, o indivíduo está feliz, em equilíbrio, experimenta uma sensação de bem-estar, vive a vida com prazer e alegria. Abaixo do zero, a pessoa se encontra triste, em sofrimento, experimentando um estado de desequilíbrio.

A palavra usada para descrever este estado de felicidade depende da filosofia adotada, poderia ser sintonia espiritual, frequência, vibração,padrão vibracional, campo energético, equilíbrio energético, holopensene, egrégora, harmonia/desarmonia com “Deus”, etc.

 

De acordo com o Waldo Vieira, esta vibração é um reflexo do Pensene individual. Pensene é o bloco indissociável Pensamento -> Sentimento -> Energia,  quando o indivíduo tem um pensamento é gerado também um sentimento negativo ou positivo, e cada sentimento gera uma energia, negativa ou positiva. Ao longo do tempo os pensenes são consolidados, gerando então um padrão energético pessoal ou holopensene.

Todos nós oscilamos nossa vibração ao longo do tempo, no entanto, conforme nos diz o Prof. Laércio da Fonseca, astrofísico, médium, estudioso da física quântica e espiritualidade, existe uma faixa no extremo superior, onde não há doenças, o indivíduo que permanece nesta vibração durante um longo período não é apresenta nenhum tipo de doença. Da mesma forma, no extremo oposto inferior, ocorrem doenças de toda ordem, a pessoa parece ficar doente o tempo todo.

Esta ideia básica é adotada por diferentes filosofias e instituições, como o Budismo tibetano, Espiritismo, espiritualismo e IIPC.

O Dr. Richard Gerber, autor de “Medicina vibracional – Uma medicina para o futuro”, afirma neste livro:

“A doença nem sempre vem de fora do nosso organismo. Em muitos casos ela se original dentro de nós.”

“Quando existem conflitos emocionais inconscientes que afetam de forma negativa o chakra do coração, como acontece nos estados de depressão e de luto, há um enfraquecimento correspondente do sistema imunológico que aumenta suscetibilidade do indivíduo a todos os tipos de doença.”

No livro “Leis do Amor” Emmanuel, afirma::

“A mente é mais poderosa para instalar doenças e desarmonias do que todas as bactérias e vírus conhecidos.”

Ainda no mesmo livro:

“Mágoas, ressentimentos, desesperos, atritos e irritações entretecem crises do pensamento, estabelecendo lesões mentais que culminam em processos patológicos, no corpo e na alma, quando não se convertem, de pronto, em pábulo da loucura ou em sombra da morte”

O mestre tibetano Lama Gangchen Rimpoche afirma a ideia simples sobre a manutenção deste controle vibracional:

“A prática da autocura consiste em transformar nossas negatividades em positividades.”

 
Bibliografia:

  • Rimpoche, Gangchen Tulku. Autocura I – Proposta de um Mestre Tibetano. Gaia, 2001.
  • Xavier, Francisco Cândido; Vieira, Waldo. Leis do Amor. Editora Lake. 1968
  • Gerber, Richard. Medicina Vibracional. Uma medicina para o futuro. 11 ed. Cultrix, 1988.
  • Ceotto, Bárbara. Diário de autocura – Da doença à saúde consciencial. Editares, 2014.

 

Princípios para manutenção de uma boa saúde – Autocura

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *